PREFEITURA VAI REFORÇAR FISCALIZAÇÃO NAS RUAS PARA EVITAR AGLOMERAÇÕES


PREFEITURA VAI REFORÇAR FISCALIZAÇÃO NAS RUAS PARA EVITAR AGLOMERAÇÕES
PREFEITURA VAI REFORÇAR FISCALIZAÇÃO NAS RUAS PARA EVITAR AGLOMERAÇÕES

Com o avanço do novo coronavírus no Pará (só em Barcarena, três pessoas já foram contaminadas, sendo que dois são de não residentes no município), a prefeitura vai reforçar a fiscalização para evitar aglomerações e o descumprimento das ações preventivas. O Grupo de Fiscalização Intersetorial do Município (GFIM) vai dar apoio no trabalho que já está sendo feito pela vigilância sanitária local.

A orientação foi dada na manhã desta segunda-feira (6), durante reunião no complexo administrativo, na Vila São Francisco. O secretário de Planejamento de Barcarena, Jacobson Estumano, informou que, até agora, apenas a vigilância sanitária atuava na fiscalização, de forma geral, e que a partir de hoje o GFIM vai dividir essa responsabilidade.

“Nosso objetivo não é provocar desemprego e problemas financeiros ao setor comercial. Mas, o que precisamos entender é que precisamos buscar alternativas para escapar do vírus, que já é comunitário em Barcarena. O delivery, a internet, por meio do facebook, e o busque no local com hora marcada, são alternativas. O isolamento social é a única arma que temos contra o vírus”, explicou o secretário Jacobson.

A ideia agora é que a vigilância cuide especificamente dos cuidados sanitários, enquanto o GFIM vai atuar na fiscalização do cotidiano da cidade para evitar, por exemplo, a aglomeração de pessoas e garantir o isolamento social. Para o secretário, as pessoas precisam ter a consciência de que é importante ficar em casa e manter o distanciamento social nos lugares públicos.

"A ideia é achatar a curva da doença", disse Jacobson, em alusão ao crescimento do número de casos de infectados no estado, inclusive em Barcarena. Um dos objetivos da prevenção é evitar a sobrecarga de atendimento nos hospitais do município. "Barcarena tem apenas seis respiradores", informou Jacobson, ao dizer que há uma escassez do aparelho.